19/07/2020 às 07h00min - Atualizada em 19/07/2020 às 07h00min

Alcinéa Cavalcante

Alcinéa Cavalcante. Foto: Arquivo Pessoal.
 
Pense nisso
“O direito de expressão é o princípio e o fim de toda a arte”(Goethe)
 
Cabanagem – o novo livro de Gian Danton 
 
O premiado e respeitado internacionalmente escritor Gian Danton deve lançar em setembro mais uma obra: Cabanagem.
Autor de dezenas de livros sobre jornalismo e quadrinhos, este é o terceiro romance dele. Trata-se de uma história fantástica, instigante e que desperta a curiosidade do leitor para conhecer um pouco mais sobre a Cabanagem (a revolta popular e social que ocorreu na Província do Grão-Pará no período de 1835 a 1840) ir além dos livros didáticos e saber que o movimento também chegou ao Amapá. Ah, mas houve cabanagem no Amapá? Algum leitor poderá perguntar surpreso. Sim. E Gian Danton explica muito bem. Para isso criou o personagem Chico Patuá, que agregou e liderou índios, negros e caboclos que atravessaram matas, rios e igarapés até chegarem em Mazagão, sempre perseguidos pelo governo regencial que escalou para comandar seus soldados um psicopata, figura recorrente nos romances de Danton.
 
Mas de Belém até Mazagão os cabanos se deparam com Matinta, Jurupari, Cobra Norato, Mapinguari , seres fantásticos da floresta, que tanto podem apoiar o grupo de Chico Patuá, como os soldados do psicopata Dom Rodrigo. E aí a curiosidade do leitor é mais uma vez aguçada, desta feita sobre as encantarias e lendas amazônicas.
 
O romance mistura história, fantasia, lendas e costumes da região. A religiosidade também está retratada sutilmente na igreja de Mazagão, que serviu de abrigo para os cabanos, e na maior manifestação cultural do Amapá, o Marabaixo.
 
Para mostrar como a Cabanagem se espalhou por toda a Amazônia e chegou ao Amapá, Gian Danton fez um minucioso trabalho de pesquisa, mergulhou em livros, revistas, artigos e teses. “Mas a ideia de fazer um livro histórico não me agradava. Eu queria fazer uma obra de fantasia histórica”, disse o autor. E o resultado aí está: uma belíssima e importante obra que mescla o fantástico com o real e leva o leitor a uma viagem por essa parte da história tão pouco conhecida e pelas lendas e encantarias. Millor Fernandes dizia que há livros que quando a gente larga não quer mais pegar e outros que quando a gente pega não quer mais largar. A “Cabanagem”, como os outros dois romances de Danton, são do tipo que quando a gente pega não quer mais largar e quando chega ao final quer voltar para o começo para ler de novo.
 
Para encerrar não poderia deixar de dizer da honra que senti ao ser convidada para prefaciar o livro, mas devo dizer também que me sinto tão pequena diante da grandeza do talento de Gian Danton e da grandiosidade do conjunto de sua obra.
 
123 anos da Academia Brasileira de Letras
A Academia Brasileira de Letras comemora seus 123 anos de fundação no dia 20 de julho, segunda-feira, em solenidade virtual, a partir das 17h. Em razão das restrições impostas pela pandemia, a cerimônia ocorrerá exclusivamente pela internet. (www.academia.org.br) Na ocasião, será apresentado ao público o Selo Comemorativo em homenagem aos 100 anos de nascimento do acadêmico João Cabral de Melo Neto, produzido pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.  
Ao final da solenidade, haverá a apresentação da cravista Rosana Lanzelotte em um concerto especial, no qual executará a Sonata em sol maior de Sigismund von Neukomm.
 
Convenções partidárias
Com a promulgação da Emenda Constitucional (EC) nº 107/2020, que adiou as Eleições Municipais 2020, todos os prazos eleitorais previstos para o mês de julho foram prorrogados por 42 dias. Assim, as convenções partidárias para a escolha de candidatos, que aconteceriam de 20 de julho a 5 de agosto, serão realizadas no período de 31 de agosto a 16 de setembro.
E como o novo coronavírus vive à espreita, as convenções poderão ser feitas de forma virtual, ou seja, pela internet para evitar aglomeração.
 
Cometa Neowise poderá ser visto a olho nu a partir de amanhã
A partir de amanhã, segunda-feira, é bom ficar de olho no céu logo após o por-do-sol, na direção noroeste, para ver o Cometa NEOWISE. Descoberto no fim de março, ele já está visível no hemisfério norte. No Brasil, será visível a partir de segunda-feira, 20, até o dia 26 nas regiões norte e nordeste. Ele poderá ser visto a olho nu, mas claro que com binóculos ou telescópio amador será melhor.
 
De acordo com os cientista essa será a única oportunidade que teremos para ver o NEOWISE, já que ele só deverá passar por aqui novamente daqui a 6.765 anos.


Alcinéa Cavalcante
Jornalista e escritora
Relacionadas »
Comentários »