26/07/2020 às 07h00min - Atualizada em 26/07/2020 às 07h00min

CENAS CARIOCAS

Rui Guilherme. Foto:Arquivo Pessoal

 Cena de ida. Manhã de primavera na praia de Copacabana. Céu azul, mar caribenho, temperatura 27 graus. Perfeito.

Jonas ao volante do táxi amarelinho. Gordinho, puxa assunto de futebol. Minha resposta foi que nosso Flamengo vai continuar vitorioso, com ou sem o Jesus português, mas iluminado pelo Jesus galileu.

Jonas fecha a cara. Respeitosamente, mas fecha. – “Ué”, estranho eu. – “Até parece que você tá feliz com a ida do Jorge Jesus para o Benfica... Ta virando lusitano?” – “Lusitano, não, doutor. Brasileiro. Carioca, sempre. Mas Botafogo, sempre.”. Novo ué da minha parte. – “Mas, Jonas, se o amigo fosse vascaíno, até que eu entenderia você não torcer pelo Flamengo. Mas, Botafogo?!?” – “Pois é, doutor. Se o Flamengo jogar com o Benfica, vou ensaiar uns fados...”

Lembrei-me de meus bons amigos botafoguista Paulo Madeira, dos vascaínos de Macapá que nem o Mário Gurtyev, dos gremistas como o conde Mazurek, dos sofredores remistas como dom Ailton, saudoso brother. Todos estarão prometendo oferendas para o Negrinho do Pastoreio e demais Encantados para ver se conseguem encarar o tsunami rubronegro. 

Cena de volta. Na porta do laboratório, no Leblon, um outro táxi amarelinho. Toyota Corolla, modelo antigo, transmissão mecânica. Motorista, um grandalhão sorridente, queimado de sol.

-“Táxi? Vamos lá, doutor.”. No banco do passageiro, um jovem com a camisa do Vasco mexia no painel. – “Tá livre? É que eu quero ir no banco da frente por causa do cinto de segurança...” – “Sem problema. Esse vascaíno aí é meu filho que tá acertando pra mim o relógio digital. Só essa moçada é que entende dessas coisas modernas”, fala o chofer, um largo sorriso a iluminar-lhe a cara bonachona.

-“O senhor gosta de mágica?”, perguntou. –“Hein?”. – “Olha a ponta da caneta. Que cor é?” – “Azul”, respondi. – “Não, doutor. É rosa.” – E mostrou um coração rosa na ponta da caneta.

- “É que minha profissão é mágico. Tou aqui dirigindo este meu táxi para complementar a renda e ajudar no condomínio, que tá muito caro.”

Passou-me cartão de visita: - “Janjão, mágico. Aceito fazer espetáculos em eventos e aniversários. – Ligue pro meu telefone e em seguida eu apareço.”

Janjão contou-me que trabalhou muito tempo na Globo, fazendo mágicas no show da Xuxa. Até colocou no televisor do carro um show em que ele aparecia fantasiado de preto, com cartola e tudo, arrasando com a Rainha dos Baixinhos.

- “Pois é, doutor. Quando eu tava na Globo, ganhava muito bem. Consegui comprar minha cobertura aqui no Leblon, com vista da praia. Mas meu pai bem que dizia que, ao morrer, iria deixar o táxi dele para mim. Assim, quando meu velho morreu, fui lá na prefeitura e consegui passar a chapa pro meu nome, e com isso vou pagando minhas contas, fora os espetáculos, quando me contratam. Formei o mais velho, que é músico e cientista político. Ele tem uma banda e me conseguiu ingresso para a área vip no Rock in Rio. E é pra lá que vou hoje á noite, de BRT, curtir meu heavy metal. Sou fã, sabe? E, quando as coisas apertam, se vejo que estou querendo ficar de mau humor, paro tudo e me jogo na praia para pegar onda. O mau humor some como num passe de mágica!”

Perguntei da Xuxa. Disse que ela está se virando, que as coisas não eram mais para ela como um dia já tinham sido, mas que até comprara um apartamento em Nova Iorque, onde mora a Sasha (- “que conheci menininha”, falou).

“Pois é, doutor”, arrematou quando finalizamos a corrida de volta, em Copacabana. – “E assim se vai levando a vida. Como meu coroa dizia, nada é para sempre.”

Nada é para sempre. Nem os carrinhos da Kibon na praia, sumidos nos atuais tempos de pandemia, onde se compravam sorvetes Chicabon e Eskybon. O Chicabon era tipo picolé, com o palitinho de madeira. O Eskybon era tipo um tijolinho com cobertura de chocolate e miolo de creme, sem palito, embalado numa caixinha, muito gostoso.

Naquele tempo, e até bem antes da Xuxa e do mágico Janjão, fazia enorme sucesso o maravilhoso cantor Cauby Peixoto. 

Lembramos, Janjão e eu, que o Cauby, que Deus já levou, era um moreno boa pinta, que usava pesada maquiagem, homossexual corajosamente assumido naquela época de preconceito idiota contra os gays. O cantor inspirou o carioca a apelidá-lo de Eskybon. Por que? Porque, como o Eskybon, Cauby Peixoto era moreninho por fora, fresquinho por dentro e sem pauzinho...

Passou Cauby, passou a Xuxa, passou o apogeu do Janjão. Como dizia a cantiga de rodas:- passa, passa gavião, todo mundo passa. Isso mesmo. Tudo passa. Nada é para sempre, dizia, filosoficamente, o pai do mágico. Para sempre, que eu saiba, só as ondas e as dançantes águas do mar Atlântico a beijar as areias douradas das praias da Cidade Maravilhosa. 

Para que volte tudo isso que está dito aí em cima; para que a cidade volte a ser maravilhosa; para que o mundo seja lugar bom para se viver, só falta sair dos sombrios momentos de agora eliminando de vez o corona vírus. Hoje, a esperança de que tal venha a acontecer raia nas fímbrias do amanhecer com a possibilidade cada vez mais firme de se produzir vacina eficiente contra esse flagelo que traz o luto a tanta gente. Por enquanto, continuam obrigatórios o uso de máscaras, a higienização pessoal constante e eficiente e o isolamento social. Mas vai passar, pois até o gavião passa.



Rui Guilherme 
Juiz de Direito e Escritor.

 
Relacionadas »
Comentários »