14/05/2022 às 22h28min - Atualizada em 14/05/2022 às 22h28min

​NOITE SEM FIM

Itaguaraci Macedo Químico e poeta. Foto: Arquivo/Pessoal.
O dia se aproxima
Onde andará meu sono?
Vai longe o abandono
E próxima a rima...

Mas, não até dormir de inspiração
Onde naveguem esses meus olhares,
Pois nem que eu singre todos esses mares
Eu me aproximo do teu coração!

Mesmo por que sabemos que a extensão
entre nós dois e nossos polegares
resume-se em centímetros vulgares
Aos olhos invisíveis da paixão!

Por que se o tenho na palma da mão
ele procura chão de outros lugares
terras remotas, incabíveis lares
onde jamais vagou minha visão!

Lá fora é quase dia
Onde andará meu sono?
Vai longe o abandono
e perto a fantasia...

Que o vento trás na viração canina
Que agride os meus ouvidos de poeta
e a sensibilidade que completa
a sensação da fome repentina!

Que nos transforma em aves de rapina
Urubus vãos da espécie mais completa:
Aglomerados ou em linha reta,
ou como os veja assim minha retina!

Então meu coração não se domina
dentro de mim e volta e se aquieta!
Não que eu o impeça de seguir sua meta
Mas, por que temos uma mesma sina...

...se foi a escuridão...
Onde andará meu sono?
Vai longe o abandono
e junto a inspiração...

Agora, ofuscados com o dia,
Retornam para mim os olhos meus
Cansados de singrar os mares seus
Lá no horizonte onde eu me perdia..
Leia Também »
Comentários »