23/08/2020 às 01h22min - Atualizada em 23/08/2020 às 01h22min

BIOMAS DO BRASIL

Marcelo Creão. Foto: Arquivo Pessoal.
 
O gigante brasileiro possui várias formas de ser visto, entendido e dividido. Uma das divisões na área da sóciobiodiversidade, é através de biomas. Por sua localização geográfica e seu tamanho continental é com tamanho de 8.514.877 km2, o Brasil abriga seis biomas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os biomas brasileiros são definidos em: 1. Amazônia, 2. Mata Atlântica, 3. Cerrado, 4. Caatinga, 5. Pantanal, 6. Campos Sulinos (Pampas).
 
Bioma Área (km2) % do Brasil
1 Amazônia 4.196.943 49,29
2 Mata Atlântica 1.110.182 13,04
3 Cerrado 2.036.448 23,92
4 Caatinga 844.453 9,92
5 Pantanal 150.355 1,76
6 Pampa 176.496 2,07
8.514.877 100
 
A Amazônia compreende, em sua maior parte, florestas úmidas, mas também apresenta florestas de altitude, várzeas e manchas de cerrado. A Floresta Amazônica é a maior floresta pluvial tropical do planeta, com 4,1 milhões de km2 território. Por outro lado, a Bacia Amazônica - a maior bacia hidrográfica do mundo - cobre uma extensão ainda maior (aproximadamente 6 milhões de km2). Sendo que, mais da metade deste bioma está localizado em terras brasileiras. A Amazônia não é só uma floresta, lá está localizado a maior bacia hidrográfica do mundo, a bacia amazônica, com mais de 1.100 afluentes. Para se ter uma ideia, dos mais de 2.000 mm de chuva que caem na floresta por ano, 50% é oriunda da água evaporada da própria bacia.
 
A Mata Atlântica, que pode ser considerada uma floresta pluvial tropical, é, na verdade, um complexo de formações com floras e faunas muito variadas: florestas úmidas, matas araucária e florestas costeiras. Ocupava originalmente cerca de 1,3 milhão de km2 do território brasileiro, mas atualmente apenas 7% a 8% dessa área continua é coberta pela Mata Atlântica. Seus índices de biodiversidade estão entre os maiores do planeta. A Mata Atlântica já cobriu cerca de 15% do território nacional. Hoje, restam apenas cerca de 7% da cobertura original da Mata. Por isso, é a floresta tropical mais ameaçada do mundo, sendo considerada um dos cinco principais hotspots de biodiversidade do planeta.
 
O Cerrado ocupa a região central do Brasil, e caracteriza-se por suas diferentes paisagens, com variados tipos de vegetação, de solo, de clima e de topografia. Genericamente, corresponde às formações do tipo savana; é um bioma tropical com estações bem definidas de seca (inverno) e chuvas (verão). O bioma Cerrado se caracteriza por diversas fisionomias. Estas formações variam desde o cerradão, que se assemelha a uma floresta, no entanto mais seca, passando pelo cerrado mais comum no Brasil central, com árvores baixas e esparsas, até o campo cerrado, campo sujo e campo limpo com uma progressiva redução da densidade arbórea. Ali, ainda encontram-se as florestas de galeria que seguem os cursos dos rios. Apesar de possuir uma aparência árida e ter solo pobre apresenta uma rica biodiversidade, sendo considerado o bioma de savana mais diversos do planeta com mais de 10 mil espécies de plantas. 
 
A Caatina, região de clima semi-árido e solo raso e pedregoso, abrange a maior parte da Região Nordeste do país. Seu nome provém do idioma tupi e quer dizer mata branca, uma referência à vegetação sem folhas que predomina durante a época de seca. Nem tudo, porém, é aridez: existem em meio à Caatinga verdadeiras “ilhas” de umidade e solos férteis, os chamados “brejos”, em que a paisagem muda totalmente. Este é um bioma que para alguns é exclusivamente brasileiro. Apesar de raso e conter uma grande quantidade de pedras, o solo é razoavelmente fértil. No entanto, as secas prolongadas que às vezes podem durar mais de um ano e o da maioria dos rios serem sazonais, com exceção do rio São Francisco, a agricultura na região só se torna viável com a construção de açudes e irrigação do solo.
 
Essas técnicas têm transformado o solo dessas regiões, que se encontra muitas vezes salinizados.
 
O Pantanal é a maior planície inundável do mundo, ocorre nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul). É considerado por muitos ecologistas uma formação única, inigualável, por seu complexo sistema hídrico e a consequente adaptação da fauna e da flora ali existentes. De novembro a abril, o nível da água dos rios está alto, provocando as enchentes. De maio em diante, começa a “vazante” e as águas baixam novamente. Os rios que cortam o Pantanal, principalmente o Paraná, com o início do trimestre chuvoso em novembro, elevam seu nível de água e acabam desaguando no Pantanal.
 
A partir de maio inicia-se a "vazante" e as águas começam a baixar lentamente até o solo secar totalmente. Áreas de Cerrado, Caatinga e de matas ciliares são comuns no Pantanal, transformando este bioma, como outros, em um mosaico de biomas.
 
Os Campos Sulinos estendem-se entre os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Na verdade, essa formação insere-se em um bioma maior, o chamado “Pampa”, que se estende para além das fronteiras com a Argentina e o Uruguai. Trata-se de uma estepe úmida, com uma composição vegetal uniforme: o campo limpo é destituído de árvores e tem arbustos espalhados e dispersos em meio a um imenso tapete de gramíneas e leguminosas nativas. É chamado de Pampa o bioma de campo temperado que ocorre no sul do Brasil, além da Argentina e Uruguai. Esses campos são dominados por gramíneas que variam entre 10 e 50 cm de altura e o solo é naturalmente fértil. Com isso, a agricultura rapidamente se expandiu nesta região, causando a desertificação do solo. marcelo_creao@yahoo.com.br.


Marcelo Creão
Ex-secretário de Estado na SEMA-AP, mestre em Biologia Tropical e Recursos Naturais, professor de Gestão Ambiental na FAMA.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »