05/09/2020 às 22h54min - Atualizada em 05/09/2020 às 22h54min

QUAL A IDADE CERTA PARA A CRIANÇA TER O PRIMEIRO CELULAR?

Dra Denise Morelli Foto:Arquivo/Pessoal
Alguns especialistas indicam que a idade ideal para que a criança ganhe um celular é entre 9 e 10 anos, enquanto que outros afirmam categoricamente que somente a partir dos 13 anos é que elas deveriam ter seu primeiro celular. Mas seja qual for a idade escolhida, o que sempre deve prevalecer é o bom senso. Antes de escolher um celular para criança, pense se o seu filho realmente precisa.

Filhos que já vão para a escola sozinhos, ou que passam muito tempo em casa sem os pais, são crianças que muitas vezes podem precisar de um celular até para emergências. Essa não é uma regra, mas as características acima podem indicar que você já precisa de um celular para criança, seja para que você consiga falar com ele com mais facilidade, seja para que ele desenvolva atitudes ainda mais responsáveis.

 A seguir, seis precauções para pais que estejam discutindo se é ou não hora de ceder aos desejos das crianças e adolescentes por um celular próprio.

1. Idade x maturidade
- A criança entende os custos do celular e de seu uso e se mostra comprometida em cumprir com limites pré-estabelecidos de uso? Ela consegue tomar conta do aparelho (ou tem grande chance de ele acabar quebrado)? Ela já é capaz de gerenciar o próprio tempo, sendo capaz, por exemplo, de parar de trocar mensagens com amigos quando for hora da lição de casa? Ela se compromete a atender mensagens e telefonemas dos pais quando combinado? Ela já tem capacidade de entender os limites em se compartilhar informações privadas, como localização em tempo real, e já tem noções éticas sobre como se comportar em ambientes virtuais?
E, é claro, existem as demandas de cada família.

"Alguns pais querem que seus filhos tenham um telefone, para poder contatá-los a qualquer hora. Outros preferem esperar até que sejam adolescentes", diz a cartilha da Connect Safely. "Para os pequenos, você pode avaliar a ideia de comprar um telefone com menos funcionalidades do que o smartphone. Embora eles permitam a troca de mensagens, servem principalmente para apenas telefonar — as crianças não conseguirão baixar apps de terceiros, alguns não têm câmeras e são mais baratos."

Dito isso, é bom lembrar que antes dos 7 ou 8 anos as crianças ainda têm muita dificuldade em entender que o celular é mais do que um brinquedo e a ter autocontrole sobre o tempo ligado na tela, afirma a pediatra Evelyn Eisenstein, professora-associada da UERJ e que ajudou a elaborar o Manual Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital, da Sociedade Brasileira de Pediatria.

2. Combinar limites de tempo
Mesmo com crianças que já demonstrem sinais de maturidade, é importante fazer combinados prévios e monitorar o tempo de tela, principalmente com as crianças menores.

Recomendações médicas internacionais sugerem que, até os dois anos, o tempo das crianças diante das telas deve ser zero, por causa dos excessos de estímulos visuais, auditivos e da importância (ainda maior nessa etapa) de atividades concretas.
À medida que as crianças crescem, pode-se começar a dosar as horas de uso. Mas os especialistas consultados pela BBC News Brasil afirmam que esse tempo total de tela não deve ultrapassar as duas horas por dia. E recomenda-se que não sejam duas horas seguidas, mas sim intercaladas com outras atividades.

"Isso porque alguns apps e jogos são feitos justamente para estimular esse uso constante, e até mesmo adultos têm dificuldade em dosar o tempo que ficam na tela", diz Rodrigo Nejm, da ONG Safernet. "Precisamos aprender a controlar o próprio uso das telas e a nos desconectar."

É bom, também, combinar de antemão que nem todo o tempo livre deve ser passado diante do celular, e que há momentos, como as refeições, em que devemos nos desconectar. "Se todo o tempo livre está no digital, significa que ele não estará na leitura ou mesmo no ócio, que é algo importante para crianças", afirma Nejm.

3. Monitorar o tipo de uso
Os especialistas recomendam um esforço dos pais para acompanhar de perto o tipo de uso que as crianças fazem do celular, principalmente se ele estiver conectado à internet.

"Os pais têm a responsabilidade civil, legal e moral sobre o comportamento dos filhos online e precisam saber o que eles andam fazendo na internet. É a mesma ideia de que não deixamos crianças pequenas sozinhas em uma praça pública"
Pais podem, também, instalar softwares de controle parental ou criar perfis de celular com restrições etárias, para impedir que as crianças tenham acesso a todos os apps do aparelho.


4. Explicar os perigos da internet
"Desde o primeiro acesso à internet, as crianças precisam saber de suas responsabilidades e dos perigos online. Desde saber quais jogos exigem dinheiro para jogar até que elas devem procurar os pais sempre que forem contatadas por alguma pessoa estranha", opina Nejm.

"Até mesmo a partir dos quatro anos de idade já dá para começar esse diálogo — de informar as crianças que há pessoas na internet que cometem violência e que o uso excessivo do celular faz mal à saúde, e por isso ela não pode usar sempre."

Embora as gerações mais novas sejam nativas digitais, elas não nasceram sabendo como se comportar online. Cabe à família discutir que tipo de informação pode ser compartilhada na internet e como se manifestar de modo respeitoso em conversas virtuais, evitando bullying e ofensas.

5. Cuidados com adolescentes
Adolescentes já podem ter direito a algum espaço privado online, opina Nejm. O que não dispensa o acompanhamento familiar.

"É uma idade importante para discutir que os pais respondem na Justiça pelo comportamento online dos filhos; para falar de bullying virtual, de nudes, de mandar fotos de partes íntimas do corpo para alguém. E lembrar que nada dá a ninguém o direito de expor as partes íntimas de outra pessoa — vazamento de nudes é um ato criminoso", diz o integrante a SaferNet.

"Se você achar que seu filho ainda é muito novo para ter essas conversas, talvez não seja a hora de ter um celular ainda. Cada família terá que avaliar seus critérios."

Fortim, da PUC-SP, diz que observar o comportamento digital dos jovens também pode dar pistas sobre a saúde mental deles. "Vemos ainda poucos jovens que são de fato viciados em videogames, por exemplo. E quando tem uso excessivo em geral tem outro problema por trás, em que ele não quer pensar — desde timidez ou bullying ou algum problema familiar."

6. Refletir sobre os próprios hábitos
A discussão sobre a vida digital das crianças é uma boa oportunidade para os próprios pais refletirem se eles mesmos são bons exemplos de equilíbrio.

"Vemos muitos pais hiperconectados questionando o uso excessivo de celular dos filhos", completa Nejm.

A família pode estabelecer, de comum acordo, quais são os limites de uso para todo mundo. Algumas sugestões dos especialistas: criar momentos em que todos se comprometam a ficar offline e vetar os celulares durante as refeições, antes de dormir e durante a noite — para evitar que aquele despertar rápido para o xixi da madrugada se converta em horas insones diante do smartphone.

Por tudo isso, vale refletir bastante antes de entregar um celular a uma criança antes dos 12 anos de idade. Isso não significa que crianças de 6 ou 7 anos não tenham grandes competências tecnológicas e que não possam usá-las em atividades de lazer ou de aprendizagem, em casa ou na escola. Mas para ter o próprio aparelho eletrônico, com conexão à web e autonomia de uso, é necessário ter a suficiente maturidade intelectual e emocional. O problema não é a tecnologia – que, em si, não é boa nem má -, mas sim o risco de que a internet se torne o único ambiente a partir do qual se vê o mundo. Moderação, equilíbrio e monitoramento são fundamentais.

https://www.bbc.com/portuguese/geral-48601454


Denise Morelli 
Psicóloga Jurídica na POLITEC, Coordenadora Nacional da Especialização em Criminologia e em Psicologia Jurídica e Inteligência Forense do INFOR, Professora de diversas Universidades em cursos de graduação em Direito e Psicologia, Especializações e Mestrados, Palestrante Nacional e Internacional, Tutora da Secretaria Nacional de Segurança Pública - SENASP.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »