05/07/2020 às 07h00min - Atualizada em 05/07/2020 às 07h00min

A PALAVRA

Edinho Duarte. Foto:Arquivo Pessoal.


Entre homens honrados, a “palavra” é o que basta! Quando você chega a ter esse grau de credibilidade com sua “palavra”, valendo tanto ou mais do que um documento assinado, seu caminho está pavimentado para o sucesso pessoal. Existe um grau de confiança que dispensa documentos e assinaturas. Quando um negócio é feito entre pessoas de “palavra” - está em jogo a lei da honradez e o nome da pessoa que empenhou a “palavra”. 

Digo isso, com conhecimento de causa, pois, ao longo da minha trajetória política, percebi que aqueles que sacrificam sua integridade, sua honestidade e desonram sua própria “palavra” para conseguir ascensão rápida, pagam um preço muito alto. Alguns de fato, podem até conseguir resultados substanciais, mas por pouco tempo ou por um preço não recomendável, é só questão de tempo e virá a constatação, basta aguardar! O tempo se encarrega de dar a resposta a tudo que é feito sem sua colaboração, porque o transcurso do tempo faz a verdade de um nome e o caráter de um homem ser revelado. 

É impressionante a força da “palavra”, como valor fundamental para alcançar credibilidade social, e é extremamente gratificante quando você passa a ser conhecido pela sociedade como “uma pessoa de palavra”. Sabemos que, na vida, nem sempre é possível honrar todos os compromissos assumidos, mas é admirável aquele que não falta com a verdade, diante da dificuldade de manter a “palavra” empenhada, sem fugir de suas responsabilidades.

Tenho norteado minha vida, segundo alguns princípios e convicções, normas de conduta que adotei, das quais não abro mão. Estou certo de que conquistei respeito e confiança das pessoas, evitando desculpas ou subterfúgios, usando minha palavra como deve ser: sim, sim; não, não. Conforme determina uma passagem bíblica, na qual sempre busquei inspiração, que está em Mateus 5:37: “...seja, porém o vosso falar. Sim, sim, não, não; porque, o que passa disso é de procedência maligna”. 

Constantemente a vida tem me dado lições sobre a importância de cada momento, de cada fase existencial do ser humano, levando em consideração que o perigo está por toda parte e frequentemente estamos no meio de uma batalha entre o bem e o mal. Gosto muito do que diz o apresentador Silvio Santos sobre a luta do “bem contra o mal”: “... quando o ser humano está com a razão, Deus é o seu advogado, ninguém vence o ser humano quando ele tem razão. Quando o ser humano não está com razão, Deus é o juiz e o demônio é o advogado de quem está sem razão. Quem tem razão, forte ou fraco, vence sempre, porque o bem sempre vence o mal. O mal pode vencer por alguns minutos, por algum tempo, mas o bem sempre vence o mal, e não teríamos razão para viver, mesmo que esta vida termine no pó, não teríamos nenhuma razão para viver, se o mal vencesse o bem”! 

Do meu retiro espiritual obrigatório, fazendo uma análise sobre o bem e o mal, fiz um poema intitulado “o presente envenenado“, que diz o seguinte:

 “ O poder é um presente envenenado 
 Quando em posição de semideus 
 O homem fica embriagado 
 Achando que estará sempre por cima 
 Como o privilegiado. 

 Mas quando a sorte deixa de sorrir 
 E o mundo vira de cabeça pra baixo 
 Só Deus pode permitir 
 Beber na fonte do riacho. 

 Como é curto o tempo 
 Entre o nascimento e a dissolução 
 A duração eterna, o infinito 
 A vida na Terra 
 E a rápida transformação. 

 Num minuto apenas 
 Tudo pode acontecer 
 Vitórias, derrotas, sabores e dissabores 
 Ganhar ou perder 
 Faz parte da arte de viver“. 

Portanto, procure ser grato. Nenhum dever é mais importante do que a gratidão! Gratidão é a memória do coração. Ser grato é agradecer até pelas coisas ruins que você já passou, por que te faz entender que tudo aquilo foi necessário pra você ser quem você é hoje. E valorize sua “palavra”, ame o seu próximo, deseje e pratique o bem, pois nunca sabemos o instante seguinte; e a vida é como uma vela, um sopro mais forte e ela se apaga.




Edinho Duarte 
Jornalista, Pedagogo e ex-deputado estadual.
Relacionadas »
Comentários »