01/11/2020 às 13h39min - Atualizada em 01/11/2020 às 13h39min

PASSES

Paulo Rebelo. Foto: Arquivo Pessoal.
Acontece cada coisa curiosa no consultório. Algumas ficam na minha memória pela graça e leveza.
Atendi há muito anos e durante quase duas décadas, uma mulher negra, bonita, obesa, agradável, na casa dos 70 anos, hipertensa e diabética.

Era uma pessoa disciplinada, mas chamava atenção o fato da pressão não controlar adequadamente, ainda que tomasse sua medicação e nada de extraordinário ocorresse em sua vida. Há muito evitava o sal, não fumava e não fazia uso de bebida alcoólica, exceto uma “latinha de cerveja”, às vezes.

Ultimamente, era sempre assim: geralmente, nos fins de semana, várias idas ao pronto atendimento quando, então, tomava injeções para baixar a pressão e poucos dias depois, lá estava ela novamente.

“A senhora não está escondendo nada de mim? Eu não sei mais o que fazer”, brinquei. “A medicação me parece correta e a senhora só piora depois do sábado e domingo? O que é que a senhora faz? É festa? Remédio para pressão é bom para pressão e não para tensão ou para confusão”, disse-lhe. “Isso deve ser algum encosto”. E, curiosamente, lembrei de uma canção.
“A senhora conhece esse ponto de macumba? -Coragem, meus marinheiros, coragem pra navegar, ela se chama Mariana*, ela é a Rainha do Mar”.
A mulher, surpresa, arregalou os olhos como se eu tivesse adivinhado algum segredo seu.
Mãe e filha se entreolharam. “Êpa, de onde o senhor conhece isso, doutor?” A mulher falou.
“Mãe, eu vou contar pro doutor”, disse a filha.
A mulher fez cara feia, com ar de reprovação.
“Doutor, ela tá escondendo do senhor; ela bebe, sim, fuma e muuito!”
“Não acredito!” Disse mais como provocação.
“Mentira, doutor, eu não!” Disse ela. “São os caboclos, ora! Eles que me obrigam na hora que eu, “incorporada”, estou dando passes! Pedem que eu os satisfaça e não é pouco, não,”
Eu não pude deixar de rir.
O fato é que por conta da sua “profissão”, ela era “obrigada” ao tabagismo e etilismo; durante anos, ela me escondeu que tinha um famoso Terreiro de Umbanda; ela era Mãe-de-Santo!

*Mariana é o apelido de Iemanjá, a mãe de todos os santos do candomblé.






Paulo Rebelo
Médico e poeta
 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »