28/11/2020 às 23h17min - Atualizada em 28/11/2020 às 23h17min

NO RUBOR DA PELE

Alexandre Garcia. Foto:Arquivo Pessoal.
 
 
Um homem com histórico de violência discute com a funcionária do supermercado, e chega a segurança; ele dá um murro em um dos vigilantes e eles revidam. O homem morre. Tem pele diferente dos dois seguranças e é véspera do “Dia da Consciência Negra”. Pronto, está armada a narrativa de dois brancos mataram um negro. Há quem gostaria de poder transferir para o Brasil os protestos anti-raciais de um país diferente do nosso, os Estados Unidos. Seria como, em 6 de setembro de 2018, noticiassem: “Um negro dá facada em branco”, no episódio com fundamento político e não racial, da agressão de Adélio a Bolsonaro. 
 
Com a vontade de espalhar racismo para dividir os brasileiros, esqueceram a frequente violência em supermercados, praticada por seguranças despreparados para agir em crise. No caso de Porto Alegre, o que tinham de fazer é imobilizar o agressor e encaminhá-lo à delegacia. No Carrefour, um paraplégico que abrira uma latinha de cerveja foi espancado no banheiro; um cliente com pele mais escura foi tratado como ladrão de carro quando ía entrar no seu automóvel. E o chefão do Carrefour ainda dá uma nota de desculpas alegando que a tragédia está além de sua compreensão, “como homem branco privilegiado que sou”. Agora sim, apartheid.
 
Racismo, sim, é separar as pessoas pela cor da pele. Cor da pele não é mérito. Nem demérito. Temos que nos prevenir daqueles que semeiam o ódio, por diferenças de renda, de cor da pele, de sexo, de preferências sexuais e políticas. Civilizados não aceitam isso. Há preconceitos, sim, em todos esses aspectos de diferenças, que não podem justificar atitudes. Todos são livres para gostar ou não gostar; só não podem agredir os outros por causa disso. Todos são livres para ter seus gostos, desde que também respeitem os direitos alheios. Para a violência, o remédio é a lei, não a violência no sentido contrário.
 
No episódio de Porto Alegre há evidente excesso dos seguranças e omissão dos circunstantes; em parte do noticiário que se seguiu há sinais de conclusões apressadas de pregação de racismo e nem ruborizamos com isso. Na escola de jornalismo que foi o Jornal do Brasil, por dez anos recebi lições de que nosso papel é retratar fatos e não modificá-los. Nossa credibilidade é avaliada todos os dias. Esperar as conclusões do inquérito é não se julgar acima dos fatos e da inteligência do público.



Alexandre Garcia
Jornalista com década s de atuação na TV e rádio, como apresentador, repórter, comentarista e diretor de jornalismo
Tags »
Relacionadas »
Comentários »