06/02/2021 às 20h15min - Atualizada em 06/02/2021 às 20h15min

O “CUPIA E COLA,” E OS FAKE NEWS DAS REDES SOCIAIS!

Ricardo Assis. Foto:Arquivo Pessoal

          E nas redes sociais, alguns do povo, cópia e cola notícias publicadas, sem fazer qualquer tipo de avaliação, checagem ou consulta, para verificar se a publicação tem veracidade. Hoje no Brasil temos dois grupos antagônicos e que usam esses instrumentos sociais, para divulgar notícias e mentiras, sendo uma tal da imprensa militante ideológica e outra com excessos patrióticos, que modificam e deturpam a notícia, com objetivos escusos e má fé. A atual situação, traz a recordação da novela satírica, “O BEM AMADO,” que tinha como prefeito da cidade de “SUCUPIRA” o corrupto e folclórico “ODORICO PARAGUASSU,” que chamava a imprensa de subversiva, pelas críticas recebidas no jornal “A TROMBETA.” A diferença do sucesso popular dessa novela dos idos tempos, era que denunciava a corrupção endêmica e na fictícia trama, fazia analogia com a realidade na ocasião, dos péssimos políticos Brasileiros. Bem diferente dos tempos atuais em que parte da imprensa omite fatos, deturpam ou manipulam a notícia, por estarem órfãos de verbas públicas.

O problema da notícia mentirosa, é ser “replicada” através da propagação da mesma nas redes sociais e tem como único intuito de ofender, tirar vantagens, difamar, destruir reputações e a honra de pessoas e instituições. O detalhe de alguns internautas “mau intencionados” ou desprovidos de inteligência mínima, replicam as situações mentirosas, pois para estes, o simples fato de uma notícia ou informação está postada ou publicada nas redes sociais, a mesma tem veracidade e de forma patética e abobalhada, vários propagam o fake news. O que já se tornou comum, alguns órgãos de imprensa ou site mau intencionados, publicam ou deturpam uma notícia, quando não, criam factóides, para depois de ver a notícia maldosa e mentirosa ser replicada, de forma “sonsa” ou com “cara de passagem,” emitem uma nota de desculpas ou de erro e que se lasque o desavisado ou afoito desprovido de bom senso, que replicou e publicou uma notícia falsa, como se fosse verdadeira.

A pilhéria da colocação da palavra na cabeça deste artigo, do tipo “CUPIA E COLA”, deve-se a uma sátira e gozação de uma pequena “historinha,” onde uma pessoa era ouvinte de um cantor e pediu para este, “CUPIA” a letra da música, que teria sido interpretada na ocasião, no que foi retrucado pelo intérprete, com a seguinte frase: “AMIGO, JÁ VI CU PEIDAR, MAS AINDA NÃO VI CU PIAR...” Baixa a cortina rápido! Qualquer semelhança, com algumas publicações REPLICADAS DO TIPO “CUPIA E COLA”, NÃO É MERA COINCIDÊNCIA!



Ricardo Assis 
Advogado com 26 anos de atuação,  no Estado do Amapá, formado pela UFPa, Mestre em Direito trabalhista e especialista em Direito Civil
Tags »
Relacionadas »
Comentários »