27/08/2020 às 19h00min - Atualizada em 27/08/2020 às 19h00min

Medicina: qual seu impacto nos últimos dois séculos e como contribuições importantes afetaram bilhões de pessoas?

Historicamente, dois séculos representam um curto espaço de tempo. Contudo, avanços através de pesquisas, monografias e ações assertivas fizeram a diferença na medicina em todo o mundo.

DINO
https://www.usp.org/
4 pilares


Uma das maiores responsáveis pela evolução da medicina, que impactou bilhões de pessoas ao redor do globo, é a United States Pharmacopeia (USP) que, em 2020, celebra 200 anos de história. Desde a sua criação, em 1820, é responsável por estudos e desenvolvimento farmacêutico que até hoje são uma das referências mais utilizadas em todo o mundo.

Frente à pandemia atual, a USP também está desempenhando um papel crítico ao ajudar a acelerar o trabalho de cientistas e fabricantes no desenvolvimento de vacinas e tratamentos em resposta ao Coronavírus (COVID-19), ao apoiar os trabalhadores da linha de frente afetados pela escassez de materiais críticos e ao ajudar a construir uma cadeia de abastecimento global de medicamentos mais resiliente.

Desde o início, até os dias atuais, a USP estabeleceu a confiança das pessoas nos medicamentos, promoveu a diferença, criou regras e normas reconhecidas internacionalmente e tornou-se um patrimônio para a saúde mundial. A seguir, mais informações sobre a trajetória e contribuições da USP ao passar dos anos:

LINHA DO TEMPO: PRINCIPAIS IMPACTOS NA MEDICINA

1820 era uma época em que a eficácia de medicamentos era questionada pela população, contudo também é o ano que iniciou os primeiros passos da medicina da forma como é conhecida hoje: foi publicado a primeira coletânea de padrões de qualidade e fórmulas farmacêuticas pela recém-criada USP, nos Estados Unidos. O documento foi um dos primeiros a reconhecer e defender a eficácia dos medicamentos em todo mundo.

Após 60 anos, o impacto da medicina ainda estava evoluindo entre as pessoas. A grande maioria continuava com a mesma desconfiança da década de 20. Em contrapartida, outras questões apresentavam avanços ao segmento: em 1880 Clara Marshall entrou para a história ao conquistar a posição de primeira mulher membro da Convenção de Farmacopeia dos EUA. À época, cargos de destaque eram raramente ocupados por mulheres.

Já em 1894, o Presidente Joseph Remington declarou que era necessário estabelecer padrões para provar a identidade e a pureza das substâncias presentes em medicamentos. Era o primeiro aceno às diferenças mundiais promovidas pela organização que iriam conquistar, de uma vez por todas, a confiança do grande público aos remédios. O impacto de Remington no mundo é reconhecido até hoje. Nos Estados Unidos, foi criada a Medalha Remington, prêmio de maior prestígio na profissão farmacêutica, concedida aos profissionais pela Associação Americana de Farmacêuticos.

1905 foi o ano da virada. Após 13 mortes ocorridas nos EUA associadas à antitoxina diftérica, a opinião pública sobre o medicamento questionou a eficácia e a viabilidade do medicamento. Diversos profissionais e empresas da época preocupavam-se com o avanço. Contudo, estudo e monografia realizados sobre o biológico por profissionais da USP foram os responsáveis por restaurar a confiança e apoio das pessoas à utilização do medicamento. Tal ação rendeu à empresa, no ano seguinte, reconhecimento oficial dos padrões por ela estipulados para determinar a potência, qualidade e pureza dos medicamentos.

CONHECIMENTO COMPARTILHADO

O reconhecimento global das ações, monografias e coletâneas realizados nos Estados Unidos não demorou a chegar. Em 1923, as monografias com padrões e análises publicadas pela USP, foram traduzidas para o chinês pela editora Chinese Chemist and Druggist.

Em 1938, com a aprovação da Lei Federal de Alimentos, Medicamentos e Cosméticos, os padrões de transparência sobre a produção e componentes presentes na fabricação (defendidas desde 1894) foram reconhecidos como padrão a ser seguido por todo o EUA. A conquista de rótulos e embalagens em medicamentos só foi possível devido aos profissionais da USP, que há anos solicitavam a inclusão de rótulos em medicamentos. O reconhecimento dos profissionais nas últimas décadas na área de medicina estimulou a aprovação da lei.

Outras tantas conquistas ocorreram nesses últimos dois séculos, como o desenvolvimento de padrões para produção em massa da penicilina (1944); criação do laboratório de padrões para medicamentos americanos (1962); expansão como referência de qualidade reconhecida por todo o mundo (1989); fonte reconhecida como informação sobre medicamentos em países em desenvolvimento (1992); dentre outros.

ANOS 2000

Ainda atuante em todo o mundo, a USP foi pioneira na criação do Programa de Verificação de Suplementos Nutricionais, com testes e auditoria independentes para fabricantes e fornecedores farmacêuticos em todo o mundo (desde 2001); e a inaugurou novas instalações globais na Índia (2006), China (2007) e Brasil (2008).

Os avanços não pararam por aí. Diariamente, a USP promove pesquisas de olho no futuro, explorando confiança nas grandes descobertas da medicina. É por isso que, durante este ano, celebra com todo o mundo a contribuição e o impacto na saúde de bilhões de pessoas nestes últimos 200 anos.

Para mais informações sobre a USP, basta acessar o site: https://www.usp.org

Notícias Relacionadas »
Comentários »