10/09/2020 às 12h29min - Atualizada em 10/09/2020 às 12h29min

IEPA aponta redução de mais de 50% nos focos de incêndio nos primeiros dias de setembro no Amapá.

A queda está associada às chuvas, que mesmo com o início da estiagem, têm caído em algumas regiões do estado. No mesmo período do ano passado houve o registro de mais de 300 focos.

Ascom Gea
Foto: Phillippe Gomes
A maioria dos focos está localizada nas proximidades das rodovias

O Núcleo de Hidrometeorologia e Energias Renováveis (NHMet), do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa), divulgou nesta quinta-feira, 10, um boletim sobre focos de incêndios no estado nos primeiros 10 dias do mês de setembro, apontando uma redução de mais de 50% no comparativo com o mesmo período do ano passado.

De acordo com o boletim, até o momento foram registrados 130 focos em todo o estado, desses, 36 no município de Santana. No mesmo período do ano passado o órgão registrou mais de 300 focos.

Segundo o meteorologista e gerente da Sala de Situação do Amapá (SSAP/NHMET), Jefferson Vilhena, a redução está associada a presença de chuvas que ainda ocorrem em algumas partes do estado.

“Setembro tem como característica o início da estiagem no estado, devido ao pouco volume de chuvas, que devem ficar na média aproximada dos 60 milímetros. Mesmo assim, tem chovido em algumas regiões o que tem contribuído para a redução do número de focos de incêndio no Amapá”, ressaltou o meteorologista.

Ele reforçou que a maior parte desses focos de incêndio está localizada nas proximidades das rodovias, alguns provocados pela ação do homem que queima algumas áreas em preparação do solo para agricultura ou pecuária.

O aumento da temperatura é outro fator que liga o sinal de alerta em relação ao surgimento de focos de incêndio. Segundo o meteorologista, as temperaturas no estado estão ultrapassando os 34° C.

Os dados sobre focos de incêndio são compartilhados com o Corpo de Bombeiros e a Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (Cedec), que trabalham no combate aos focos de incêndio.


Notícias Relacionadas »
Comentários »