13/09/2020 às 10h00min - Atualizada em 13/09/2020 às 10h00min

Gestão de Marcelo Dias, presidente da CMM-AP, gastou quase meio milhão com aluguel e gasolina no ano da pandemia.

Da Redação
Foto: Reprodução/Facebook/Pagina Pessoal.
Uma pesquisa no portal Transparência da Câmara de Vereadores de Macapá mostra que a gestão de Marcelo Dias gastou mais de R$ 100 mil com gasolina e quase R$ 400 mil com aluguel neste ano. Pagamentos realizados inclusive nos meses em que o Amapá estava em lockdown e apesar dos salários de mais de R$ 20 mil recebidos por cada parlamentar. 

O ano de 2020 vai ficar marcado na memória não só do amapaense como do mundo todo. Entes queridos partiram em decorrência da pandemia da Covid-19 e a crise se instalou sobre empreendedores e diversos setores do comércio. Isso sem falar nos meses que o cidadão precisou ficar em casa para se proteger no coronavírus. Pois é, é nesse ponto que surge o questionamento social, pois, segundo a transparência da Câmara de Vereadores de Macapá, nem todos ficaram em casa, já que mesmo nos meses de isolamento – incluindo o período de lockdown – aquela Casa de Leis gastou a mesma quantidade de recursos com gasolina. Um levantamento, no mínimo, curioso.
 
O valor mensal gasto com gasolina pela Câmara de Vereadores é R$19.048,80, o mesmo desde o mês de março, regularmente – exceto no mês de junho. Até o pagamento do mês de setembro, já foram gastos R$ 114.292,80. Um valor significativo, se apurarmos que cada vereador possui um salário de mais R$20 mil, fora verbas de gabinete. 

Gasolina para videoconferência 
O cidadão pode até se questionar se esse combustível não estaria sendo usado pelos parlamentares para irem até à Câmara – na hipótese estapafúrdia de não conseguirem cobrir esse gasto com os salários recebidos.

Mas é importante ressaltar que desde os primeiros dias de Abril, os vereadores estão na modalidade remota de trabalho, realizando as sessões através de videoconferência, o que os desobriga de ir à Câmara e estão, como toda sociedade, impedidos de realizar aglomerações por motivo de segurança.

Todo mundo em casa
Os pagamentos do Parlamento Mirim dizem respeito, inclusive, ao período de lockdown, que foi decretado pela primeira vez no dia 15 de maio, mas que seguiu até o início de junho, data que corresponde a uma das notas de empenho pagas. 

Consta na Transparência da CMM que o valor de R$ 114.292,80 foi todo pago. Um recurso que poderia ter sido economizado em tempos de incerteza financeira. 

Outros gastos 
Além de gasolina, é importante ressaltar que constam também no portal Transparência da Câmara, gastos com aluguel de carros, que variam mensalmente entre R$ 40 e R$ 52 mil, inclusive nos mês de isolamento social imposto pela pandemia. Desde janeiro até a presente data, em que os vereadores continuam em sessões online, já foi gasto pela gestão do presidente Marcel Dias, o total de R$ 381.600, 00 com esse serviço. 

Ou seja, unindo somente estes dois gastos, a Câmara de Macapá gastou quase meio milhão dos cofres públicos com serviços de aluguel de carro e gasolina, em um ano em que as atividades presenciais estão suspensas desde abril. 

Recursos que poderiam ter sido determinantes nas campanhas de enfrentamento ao coronavírus, quando os poderes executivos se uniam para salvar o máximo de vidas possível.

Notícias Relacionadas »
Comentários »