21/01/2021 às 13h53min - Atualizada em 21/01/2021 às 13h53min

Vacina contra covid-19: saiba as recomendações

A vacinação iniciou nesta semana em todo Brasil; o Instituto Butantan ajuda a tirar dúvidas.

Ascom Gea
Foto: Ascom/ Gea
o imunizante, que contém 0,5 ml de antígeno do vírus SARS-CoV-2, é composto por vírus atenuado, ou seja, o vírus foi enfraquecido para que não fosse capaz de adoecer a pessoa.

A vacinação contra covid-19 iniciou nesta semana em todo Brasil e no Amapá a primeira vacina foi aplicada na terça-feira, 19. Por se tratar de um novo medicamento, que ainda está na fase de uso emergencial, existem diversas dúvidas da população.

A vacina CoronaVac produzida pelo Instituto Butantan de São PAulo e entregue pelo Ministério da Saúde (MS) tem algumas recomendações na bula para melhor aplicação: o imunizante, que contém 0,5 ml de antígeno do vírus SARS-CoV-2, é composto por vírus atenuado, ou seja, o vírus foi enfraquecido para que não fosse capaz de adoecer a pessoa e ao mesmo tempo criar anticorpos para a doença. As vacinas com esse tipo de técnica já são produzidas há décadas pelo mundo.

Algumas respostas estão na bula do imunizante, fornecida pelo Instituto Butantan. A secretária adjunta de Enfrentamento a Covid-19 do Amapá, Maracy Andrade, que é médica pneumologista, respondeu há várias dessas dúvidas. Acompanhe:

Seguem algumas perguntas e respostas: 
 

Como as vacinas devem ser guardadas?

A CoronaVac precisa se manter entre 2º a 8º Celsius positivos para manter a sua eficiência, não podendo ser congelada.
 

Como deve ser aplicada a vacina?

A vacina deve ser administrada via intramuscular, não podendo ser aplicada via intravenosa, subcutânea ou intradérmica
 

Menor de 18 anos pode tomar a vacina?

O instituto Butantan não realizou testes com menores de 18 anos, portanto a vacina será administrada apenas em adultos.
 

Quantas doses são?

O Instituto recomenda duas doses para o esquema completo de vacina, de uma dose para outra é recomendado o intervalo de 2 a 4 semanas.
 

Quem toma vacina não transmite mais o vírus?

Mesmo após a vacinação as pessoas devem continuar os cuidados com higiene e uso de máscara, pois elas ainda podem transmitir ou ser o transporte para o vírus. O instituto ainda informa que a pesquisa foi elaborada para evitar a doença causada pelo vírus SARS-CoV-2 e não a infecção do mesmo.
 

Pode provocar alergia?

“Toda vacina corre um risco de reação alérgica ou de efeito adverso pós vacinal. Estes últimos podem ser locais com tumoração local, dor e rubor, ou sistêmicos; mal estar geral, cefaleia, febre e etc”, afirmou a médica Maracy.
 

Após tomar a vacina pode ingerir álcool?

“Não existem efeitos colaterais descritos, e por falta de orientação neste sentido o indicado é não ter o consumo de bebidas alcoólicas em concomitância”, explica Maracy.
 

Pessoas transplantadas podem tomar a vacina?

A recomendação médica é que procure um profissional da saúde com antecedência para avaliação.
 

Pessoas com imunodeficiência ou passando por terapia imunossupressora podem tomar a vacina?

Ainda segundo o instituto, para o quadro de pessoas imunodeficientes: a resposta imunológica pode não ser alcançada.
 

Mulheres grávidas podem tomar?

Embora os testes não apresentem riscos ao feto, o instituto recomenda a avaliação e acompanhamento médico.
 

Pessoas que já ficaram doentes da covid-19 podem tomar?

Não existe contra indicação alguma para aqueles já infectados, entretanto, não é recomendável que, se ainda estiver com sintomas da doença, ser vacinado.
 

Os idosos terão doses diferentes?

Não existe nenhuma mudança nas doses para idosos.
 

Existem contra indicações?

De acordo com o instituto, as contraindicações são se a pessoa tiver alguma alergia a qualquer elemento da vacina, ou se ela estiver com febre, doença aguda e início agudo de doenças crônicas.

O instituto ainda recomenda o uso com cautela caso haja: histórico familiar e pessoal de convulsão, portadores de doenças crônicas e histórico de epilepsia, ou, ainda, pacientes com trombocitopenia (número reduzido de plaquetas no sangue) ou com coagulopatias, esses quadros devem ser acompanhados por médicos.

Notícias Relacionadas »
Comentários »