20/02/2021 às 10h57min - Atualizada em 20/02/2021 às 10h57min

Polícia Civil do Amapá prende Jeremias Barroso, o pastor do Diabo, acusado de abusar sexualmente de fiéis.

A prisão do acusado aconteceu na DCCM, onde compareceu após ser intimado para prestar esclarecimentos acerca de uma nova denúncia.

Polícia Civil
Foto: Reproduçao igreja Getsamani

Nessa sexta-feira, 19, a Polícia Civil do Amapá, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DCCM) prendeu um pastor evangélico, de 55 anos de idade, acusado pelo crime de violação sexual mediante fraude.
 

De acordo com a Delegada Marina Guimarães, as investigações começaram em julho do ano passado, quando três vítimas registraram boletins de ocorrências narrando que haviam sido abusadas sexualmente pelo pastor.
 

"A partir das denúncias, instaurei o inquérito policial e iniciei as investigações. Além das vítimas, várias testemunhas foram ouvidas e relataram o mesmo modus operandi do acusado. Ele se utilizava da condição de pastor para ludibriar as vítimas, que depositavam confiança nele e, assim, abusava sexualmente delas. O pastor utilizava o argumento de que as vítimas estavam com maus espíritos e precisavam ser ungidas para se libertarem. Em seguida, tocava nas partes íntimas delas, que acabavam acreditando que esse comportamento do pastor era necessário para que o objetivo da oração fosse alcançado", destacou a Delegada.
 

No mês de dezembro de 2020, o inquérito policial foi concluído, com o indiciamento do pastor por violência sexual mediante fraude, e remetido ao Ministério Público.
 

A partir daí, outras vítimas surgiram e a Delegada Marina e a coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (GAECO-MP), a Promotora de Justiça Andréa Guedes, começaram a trabalhar de forma integrada e representaram pela prisão preventiva do acusado e pela busca e apreensão domiciliar.
 

A prisão do acusado aconteceu na DCCM, onde compareceu após ser intimado para prestar esclarecimentos acerca de uma nova denúncia. Após a oitiva, a Delegada deu voz de prisão ao acusado em cumprimento do mandado de prisão preventiva, expedido nessa sexta-feira pelo Poder Judiciário. Em seguida, foi cumprido o mandado de busca e apreensão na residência do acusado, sendo apreendidos notebook, pen drive, celular e hds externos.
 

As vítimas que ainda não denunciaram, devem procurar a DCCM.
 

O acusado foi encaminhado ao Iapen, onde ficará à disposição da justiça.

Notícias Relacionadas »
Comentários »