18/03/2021 às 12h15min - Atualizada em 18/03/2021 às 12h15min

Estoques de ‘kit entubação’ podem acabar em 20 dias, apontam municípios

Situação crítica em DF, PR, SC e PA Conselho pede coordenação da Saúde

Com informações poder360
Foto:Reuters

Os estoques públicos dos chamados “kit entubação” estão em níveis críticos. De acordo com o Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), eles podem acabar nos próximos 20 dias em diversos Estados. As informações são do G1.

O kit tem, entre outros itens, remédios usados para anestesia, sedação e relaxamento muscular.

O Conasems pede que o Ministério da Saúde coordene com a indústria o fornecimento contínuo dos medicamentos, “para que não faltem nos hospitais de referência, principalmente nas unidades que estão no plano de contingência” da pandemia de covid-19.

Em todo o país, estamos vivendo um momento extremamente crítico”, declara o órgão.

Segundo o G1, representantes de laboratórios disseram ao governo que não dão conta de atender à demanda em curto prazo. Eles sugeriram ao Ministério da Saúde que importe os medicamentos.

Em nota, a pasta disse que a definição sobre a necessidade de compra de medicamentos do “kit entubação” é feita em parceria com Estados, municípios e com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

De posse dessas informações do Conass [Conselho Nacional de Secretários de Saúde] e Conasems, o Ministério da Saúde realiza análises em conjunto com os dados das indústrias enviados e atualizados semanalmente pela Anvisa. A pasta também envia semanalmente às indústrias o consumo médio mensal nacional. Além da busca pela equalização, essa ação também serve para balizar a produção e venda dos medicamentos para os Estados prioritários.”

SITUAÇÃO CRÍTICA

Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina e Pará já estão com problemas no fornecimento dos medicamentos.

Os 12 hospitais estaduais do Pará têm estoque para mais 15 dias. A Secretaria de Saúde do Pará informou que a taxa de ocupação de camas destinadas a pacientes com covid-19 é de 82,6% para leitos clínicos e 81,4% para leitos de UTI (unidade de terapia intensiva).

No Paraná, há sedativos e analgésicos para mais uma semana e bloqueadores neuromusculares para apenas 2 dias. O Estado tem 96% de taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 do SUS (Sistema Único de Saúde).

No Distrito Federal, de 25 produtos monitorados pela Secretaria de Saúde, 36% acabaram ou estão em quantidade insuficiente para 1 mês.

A 4ª feira (17.mar.2021) começou com estoque zerado de 2 remédios: o propofol e o vecurônio. O 1º é um anestésico geral de curta duração. O 2º é um relaxante muscular usado para facilitar a introdução do tubo na traqueia.

Segundo a Secretaria de Saúde, “aqueles medicamentos que estão com estoque reduzido ou sem estoque possuem processo de aquisição em andamento”.

A Secretaria de Saúde de Santa Catarina diz que há risco de desabastecimento no Estado. O governo catarinense iniciou na 2ª feira (15.mar.2021) a compra emergencial de 3 medicamentos do “kit entubação“: Rocuronio, Propofol e Atracúrio.

O hospital estadual Nereu Ramos, em Florianópolis, está diluindo medicamentos de entubação para render mais.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »