18/06/2019 às 10h00min - Atualizada em 18/06/2019 às 10h00min

TJAP e Justiça Federal discutem ampliar cooperação para interiorização da prestação jurisdicional

Foi tratada ainda a possibilidade de ampliar a interiorização da Justiça Federal, em especial nas comarcas de Laranjal do Jari e Oiapoque.

Portal Amapá
O objetivo do encontro foi debater a cooperação entre as instituições com foco no compartilhamento de recursos em geral, como espaços físicos e tecnologia. (TJAP)

O presidente do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), desembargador João Guilherme Lages, reuniu-se com o diretor do Fórum da Justiça Federal no Amapá, juiz Hilton Pires, e com o titular da 2ª Vara de Competência Geral da Comarca de Laranjal do Jari, juiz Julle Anderson de Souza Mota. O objetivo do encontro foi debater a cooperação entre as instituições com foco no compartilhamento de recursos em geral, como espaços físicos e tecnologia. Foi tratada ainda a possibilidade de ampliar a interiorização da Justiça Federal, em especial nas comarcas de Laranjal do Jari e Oiapoque.

De acordo com o presidente do TJAP os representantes do poder público em geral, mas especialmente os da Justiça em suas diversas esferas, têm a obrigação de se aproximar. “Principalmente quando podemos, juntos, poupar recurso público, algo cada vez mais escasso, e ampliar e aprimorar o serviço que prestamos”, defendeu o magistrado, acrescentando que “se não houver ajuda mútua, as soluções não acontecem de forma eficaz”.

De acordo com o juiz Hilton Pires, a Justiça Federal no Amapá tem procurado apoio para implementar alternativas que possibilitem uma melhor interiorização com redução de custos. “Especificamente nas comarcas de Laranjal do Jari e Oiapoque pretendemos manter uma estrutura mínima, garantindo acesso à população que reside nesses municípios, mas trazendo a maior parte das secretarias para Macapá, semelhante ao que o TJAP fez criando a Secretaria Única de Entrância Inicial”, registrou. “Assim mantemos um posto avançado em cada local onde a demanda seja maior, operando semelhante aos postos avançados da Justiça Estadual”, complementou.

Da parte da comarca de Laranjal do Jari, o juiz Julle Anderson registrou que há espaço no Fórum local. “Poderíamos, sem problemas, receber a Justiça Federal no 3º Andar do nosso Fórum, que tem espaços ainda disponíveis”, declarou. De acordo com o presidente João Lages as tratativas de um termo de cooperação seguirão, incluindo no diálogo os diretores de outros fóruns e ampliando a capilaridade do atendimento jurisdicional federal por meio de estruturas e espaços compartilhados.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »