19/06/2019 às 22h00min - Atualizada em 19/06/2019 às 22h00min

Junho Verde: Feira sustentável apresenta objetos confeccionados com produtos recicláveis

Outros produtos como óleos medicinais e hambúrguer feito de peixe também estão em exposição na feira.

Portal Amapá
Na feira, além dos produtos artesanais, foi possível comprar diversos tipos de óleos medicinais, bijuterias e objetos fabricados a partir de escamas e pele de pescados, produzidos por estudantes da Escola Técnica de Pesca do Amapá.

Produtos artesanais fabricados a partir de material reciclável foram dentro da Feira Sustentável, evento que integra a programação do Junho Verde, foi  realizada no Largo do Inocentes, em frente à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), em Macapá.

Segundo a gerente de educação ambiental da Sema, Nazaré Figueira, a feira que realizou a sua segunda edição, tem como objetivo, divulgar o trabalho dos artesãos, que através de materiais recicláveis confeccionam diversos produtos.

 

“Eles são feitos a partir do reaproveitamento de materiais descartados que iriam para o lixo e, que nas mãos desses artesãos, ganham forma e viram arte”, frisou Nazaré.

Para a artesã Sabrina Alencar, que trabalha com a confecção de produtos feitos com EVA e outros materiais, a feira é uma oportunidade de expor e comercializar seus produtos, que vão desde bonecas produzidas de pano, ponteiras de lápis, porta-lápis, e outros objetos com preços a partir de R$ 5.

 

“Sempre participo das feiras artesanais, que é uma importante oportunidade para aumentar minha renda comercializando meus produtos”, ressaltou Sabrina.

Na feira, além dos produtos artesanais, foi possível comprar diversos tipos de óleos medicinais, bijuterias e objetos fabricados a partir de escamas e pele de pescados, produzidos por estudantes da Escola Técnica de Pesca do Amapá.

A novidade da feira foi um hambúrguer de peixe - o fishburgger - que, segundo o diretor da Escola de Pesca, Everaldo Matos, surgiu de um desafio lançado aos alunos para criar um produto que pudesse utilizar partes da carne do pescado não utilizado na filetagem de peixe.

“Como nossos alunos trabalham com a produção de bijuterias e outros objetos feitos a partir da escama e da pele de peixes, parte da carne do pescado não era utilizado. Então surgiu a ideia de produzir algo que pudesse aproveitar essa parte não usada. E assim nasceu o fishburgger”, explicou Everaldo, acrescentando que esta é a quarta vez que o produto é exposto e tem sido aprovado por quem experimenta.

“É uma ideia que certamente vai se tornar empreendimento para muitos desses nossos alunos torando assim uma fonte de renda para eles”, ressaltou o diretor da Escola de Pesca.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »