29/06/2019 às 19h30min - Atualizada em 29/06/2019 às 17h30min

Internações e mortes de crianças em acidentes de trânsito caem

Entidades defendem multas e inclusão de pontos na carteira de infrator

EBC
A obrigatoriedade da cadeirinha e do cinto de segurança está na Resolução nº 277do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). (Arquivo Agência Brasil)

A adoção da cadeirinha para o transporte de crianças de até sete anos e obrigação de uso do cinto de segurança no banco de trás dos carros até os nove anos diminuíram em um terço o número de internações de crianças acidentadas em estado grave e reduziram em um quinto o número de mortes de pessoas nessa faixa etária transportadas em veículos automotores.

Os dados são do Ministério da Saúde, conforme análise do Conselho Federal de Medicina (CFM), em parceria com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

O estudo, que está disponível na internet, indica que esses números envolvendo acidentes com crianças diminuíram no mesmo período em que o número de veículos nas ruas cresceu cerca de 50%. Entre 2010 e 2018, a frota de veículos no país aumentou de 37,25 milhões para 54,7 milhões.

A obrigatoriedade da cadeirinha e do cinto de segurança está na Resolução nº 277do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

De acordo com as entidades médicas, de 2010, data de vigência da resolução do Contran, até 2017, a queda no número de óbitos no local do acidente de trânsito foi de 19% (de 346 para 279 óbitos). Só no primeiro ano de validade da Lei da Cadeirinha, de 2010 a 2011, a diferença nas mortes foi de 22%.

De 1996 a 2017, o Brasil perdeu 6.363 crianças menores de dez anos que estavam dentro de algum tipo de veículo envolvido em acidente. Crianças entre zero e quatro anos de idade foram vítimas fatais em 53% dos episódios.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »