26/08/2021 às 12h00min - Atualizada em 26/08/2021 às 12h00min

Lula promete “regulação de meios de comunicação” se for eleito

O ex-presidente disse ter identificado "setores da imprensa que não querem que ele seja candidato". Proposta incluirá internet

Com informações R7
Foto: José Cruz/EBC
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta quinta-feira (26/8), que, se for eleito presidente, “vai regular os meios de comunicação”. Em entrevista ao jornal Bahia no Ar, da rádio Metrópole FM, Lula disse que já observa setores da imprensa que não querem que ele seja candidato e apontou essa intenção como motivo das críticas.

“Estou conversando com muita gente, leio muita coisa, estou ouvindo muito desaforo. Tem setores da imprensa que não querem que eu seja candidato. Porque se eu voltar, vou regular os meios de comunicação deste país”, prometeu o ex-presidente que é o candidato do PT à corrida eleitoral de 2022.

Lula disse que a proposta inclui até a internet e ressalvou que não se trata de censura. “A gente não pode ficar com a regulamentação de 1962. Não é possível”, disse.

A Lei de Imprensa é de 1967 e Código Brasileiro de Telecomunicações, de 1962. Na entrevista, Lula não deixou claro a que legislação ele estava se referindo.

“A regulamentação dos meios de comunicação é do tempo que a gente conversava por carta. É de 1962. Olha a revolução que houve nas comunicações”, argumentou o ex-presidente.

 

Segundo o ex-presidente, o PT já tem uma proposta estruturada para essa regulação.

Censura

De acordo com o petista, o objetivo é conduzir uma regulametação que não seja censura, “que permita que a gente conduza a internet mais para o bem que para o mal”, disse. “É impedir a a utilização dela para tudo que é sacanagem para tudo que é podridão”, argumentou.

 

“Eu sou contra a censura porque sou vítima da censura”, declarou.

E passou a apontar o uso das redes sociais por parte do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), para a divulgação de notícias falsas. “Um canalha que não tem coragem de falar uma coisa para você na sua cara, ele se esconde dentro do quarto e fala mal da tua mãe, da tua filha, do teu neto, do filho que você ainda não teve”, disse Lula. “Fica receitando remédio que não tem nenhuma eficácia, isso é um crime”, criticou.

Ele também lembrou que foi massacrado pela imprensa quando era presidente. “Fui enterrado”, reclamou.
 

Retomada

O ex-presidente lembrou as articulações do seu primeiro mandato para se aprovar mudanças na estrutura de comunicação do país, na época conduzidas pelo então ministro da Comunicação do Planalto, o jornalista Franklin Martins. Recentemente, Martins assumiu o controle da comunicação de Lula com vistas à campanha de 2022. O objetivo, segundo o ex-presidente é retomar a discussão feita no passado.

“Nosso projeto não foi uma coisa feita pelo Franklin ou pelo Lula. Nosso projeto teve uma conferência nacional. Nós tivemos conferências municipais, estaduais, depois a nacional. Foram 3 mil pessoas que participaram”, ressaltou.
 

“Combate ao monopólio”

Lula ressaltou que a proposta deve caminhar no sentido de combater a concentração de poder da comunicação nas mãos de poucos e de que haja uma programação mais regionalizada para as TVs.

“O que não pode é nove famílias terem todos os meios de comunicações”, disse Lula. “É preciso democratizar um pouco isso, A televisão precisa ser mais plural”, enfatizou.

“É importante que se tenha mais programas regionais. Fico nervoso porque o povo do Nordeste, do Amapá, da Bahia, de Roraima, do Amazonas, é obrigado a ver o que nós, de São Paulo e do Rio somos obrigados a ver”, reclamou. é preciso ter mais regionalização para ter mais notícia do estado, para ter mais cultura do estado, mais arte do estado”, receitou Lula.

Lula negou ter a intenção de controla conteúdos e ainda afastou qualquer comparação aos modelos de comunicacão adotados em países como Cuba e China, que exercem esse poder sobre meios de comunicação.

“Ninguém quer controlar nada. Eu não quero controlar”.

“Não quero um modelo de comunicação tipo Cuba ou China. Eu quero tipo Inglaterra. Lá tem democracia? Tem. Então, é o de lá que eu quero”, apontou.

Lula disse que a proposta inclui até a internet e ressalvou que não se trata de censura. “A gente não pode ficar com a regulamentação de 1962. Não é possível”, disse.
 

Notícias Relacionadas »
Comentários »