11/07/2019 às 19h00min - Atualizada em 11/07/2019 às 19h00min

CRA avaliará impacto do acordo Mercosul-União Europeia

O senador Luis Carlos Heinze salientou a importância de discutir a questão com associações de produtores rurais e de trabalhadores.

EBC
Em pronunciamento na CRA, o senador Luis Carlos Heinze. (Marcos Oliveira/Agência Senado)

Ao aprovar a avaliação de políticas públicas sobre comércio agropecuário internacional como plano de trabalho, a Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) deu ênfase à necessidade de debate sobre o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, celebrado em 28 de junho.

O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) salientou a importância de discutir a questão com associações de produtores rurais e de trabalhadores. Ele manifestou preocupação com a capacidade do Brasil diante da competição subsidiada: segundo as estatísticas que apresentou, os subsídios concedidos pelos membros da União Europeia à produção agropecuária bruta alcançaram US$ 106 bilhões contra US$ 7 bilhões no Brasil. Heinze também criticou a carga tributária dos alimentos brasileiros, que chega a 34%, enquanto na Alemanha e na Itália, os tributos são de 7%.

— Não posso entrar concorrendo com a União Europeia com a carga tributária que temos e os subsídios que não temos — argumentou.

O senador acrescentou que os estados do Sul são os mais prejudicados pelo Mercosul, e não podem entrar “desarmados” na concorrência com a União Europeia. Heinze espera poder discutir a situação no segundo semestre com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e os ministros de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e da Economia, Paulo Guedes.

A iniciativa da avaliação de políticas públicas recebeu elogios do senador Jayme Campos (DEM-MT), que cobrou competitividade do país e preservação da produção brasileira. Citando especificamente os casos da produção leiteira e vinícola, ele entende que o acordo do Mercosul com a União Europeia tem aspectos danosos para o país.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »