05/01/2022 às 09h00min - Atualizada em 05/01/2022 às 09h00min

Pandemia reforça importância do braille para deficientes visuais

Confinamento cria dificuldades para quem usa o toque para se comunicar

EBC
Foto: Tomaz Silva/EBC
 

O Dia Mundial do Braille é comemorado nesta terça-feira (4). A data é celebrada desde 2019 por iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), que neste ano ressaltou como a pandemia de covid-19 serviu para reforçar a importância desse meio de comunicação para os deficientes visuais.

“O confinamento por causa da pandemia levou a uma série de problemas como isolamento e dependência, principalmente para quem precisa do toque para se comunicar”, ressaltou a ONU em comunicado.

Deficientes visuais também enfrentam maior risco de contaminação diante da dificuldades de obter orientações e informações acessíveis em braille sobre a doença, destacou a organização, que desde o início da pandemia vem produzindo materiais para esse público, com foco especial na África.

Com a pandemia, houve ainda um impulso no desenvolvimento de meios de comunicação digitais para deficientes visuais, que têm como principal suporte a transcrição em áudio. O ensino remoto também prejudicou a utilização do braille nas escolas. Tudo isso gerou a preocupação com a chamada “desbrailização” desse público.

O assunto foi tema de uma dos encontros promovidos durante o 7º Congresso Nacional de Educação, ocorrido em dezembro. Na ocasião, especialistas defenderam a promoção do braille como único meio capaz de realmente emancipar os deficientes visuais em termos de conhecimento.

“O braille dá autonomia à pessoa cega. Com o avanço tecnológico, o mundo mudou, mas esse avanços de maneira alguma devem fazer com que a pessoa cega deixe o braille de lado, seja desbrailizado”, disse o professor Fernando da Costa Ferreira, que é coordenador de pós-graduação do Instituto Benjamin Constant, principal instituição brasileira de produção e distribuição de livros em braille.

Para Regina Caldeira, responsável pela área de edição e revisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos, somente o braille permite uma verdadeira educação e autonomia aos deficientes visuais, por ser um meio para uma alfabetização genuína e permitir, sobretudo, que os próprios cegos produzam conhecimento.

“[Deficientes visuais] podem e devem usar outras tecnologias, mas só os livros didáticos em braille permitem que eles possam resolver equações matemáticas, conhecer estruturas químicas, ler mapas, gráficos, tabelas e conhecer outras imagens”, frisou a educadora.

Sistema 

O Sistema Braille foi criado pelo francês Louis Braille, em 1925. Cego após um acidente na oficina do pai, adaptou métodos utilizados por soldados franceses para comunicação noturna. A versão final foi apresentada por ele em 1837. O sistema é baseado em pontos com relevo em papéis, que são apreendidos por meio do contato com a ponta dos dedos. Por meio da combinação de seis pontos, é possível fazer até 63 caracteres diferentes. Vale lembrar que não se trata de uma linguagem, mas de uma transcrição do alfabeto latino e de outros símbolos.

Números

De acordo com o Relatório Mundial sobre Visão 2019, da Organização Mundial da Saúde (OMS), 2,2 bilhões de pessoas têm algum tipo de deficiência visual, sendo 1 bilhão com uma condição que poderia ser prevenida ou tratada. Ainda conforme a OMS, a incidência de deficiência visual é quatro vezes maior em países de rendas baixa e média do que nas nações mais ricas.  

Nos Brasil, os dados oficiais mais recentes disponíveis são do Censo de 2010. Segundo o levantamento, há no país mais de 6,5 milhões de pessoas que não conseguem ver de forma alguma ou que têm grande dificuldade, o equivalente a 3,4% da população. Desse total, 582,6 mil são incapazes de enxergar. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »