06/07/2022 às 14h11min - Atualizada em 06/07/2022 às 14h11min

Falta de dinheiro impede três de cada 10 brasileiros de viajar

Dos 62,4 milhões de lares onde não foram registradas viagens, 86,2% tinham renda inferior a R$ 2.200, mostra IBGE

Com informações do R7
Foto: Reprodução/Agência Brasil

O desejo de viajar de 30,5% dos brasileiros em 2021 foi frustrado pela falta de dinheiro, mostram dados da Pnad Turismo (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgados nesta quarta-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De acordo com o estudo, 20,8% relatam não haver necessidade para o deslocamento, 8,3% dizem não ter tempo e 7,6% alegam não existir interesse. Há ainda quem destaque os problemas de saúde (3%) e aqueles que afirmam ter outras prioridades (8,9%) no momento.

A impossibilidade de viajar por outro motivo foi de 20,9%. O IBGE, no entanto, ressalta que a citação foi superdimensionada por causas relacionadas à crise sanitária – como necessidade de afastamento social, impossibilidade de pegar voos ou mesmo o fato de as pessoas terem sido infectadas pelo novo coronavírus.

Diante do cenário, apenas 9,1 milhões (12,7%) dos 71,5 milhões de domicílios brasileiros declararam ter feito alguma viagem nos três meses que antecederam a entrevista. No ano de 2020, esse percentual havia sido de 13,9%.

O levantamento mostra ainda que, dos 62,4 milhões de domicílios onde não foram registradas viagens dos moradores em 2021, 86,2% deles tinham renda inferior a dois salários mínimos (R$ 2.200, de acordo com o valor do mínimo naquele ano).

Entre os lares com deslocamentos no período de análise, 95,8% registraram até três viagens, prevalecendo a ocorrência de uma única em 74,2% dos domicílios em 2020 e 74,9% em 2021.

 

Destinos

O estudo revela os destinos preferidos pelos brasileiros ao viajar. Em 2021, 99,3% (12,2 milhões) dos deslocamentos ocorreram dentro do território nacional. De acordo com o IBGE, a região Sudeste (40,9%) foi a mais visitada, seguida pelo Nordeste (28,2%), Sul (17,3%), Centro-Oeste (7%) e Norte (6,6%). Uma parte expressiva desses deslocamentos ocorreu dentro de uma mesma Grande Região e, não raro, no interior dos próprios estados.

No ranking das unidades federativas que mais receberam viajantes provenientes tanto de outros estados como de outras cidades, São Paulo aparece em primeiro lugar, recebendo 20,6% dos viajantes. Também aparecem com ampla procura os estados de Minas Gerais (11,4%), Bahia (9,5%), Rio de Janeiro (6,6%), Rio Grande do Sul (6,5%), Paraná (5,6%) e Santa Catarina (5,2%).

 


Notícias Relacionadas »
Comentários »