08/07/2022 às 14h05min - Atualizada em 08/07/2022 às 14h05min

PF prende “Colômbia”, suspeito de mandar assassinar Dom e Bruno

Rubens Villar Coelho, conhecido como Colômbia, é peruano e foi detido ao prestar depoimento em Tabatinga, por uso de documento falso

Com informações do Metrópoles
Jornalista britânico Dom Phillips e indigenista Bruno Pereira - Foto: Reprodução
A Polícia Federal prendeu o peruano Rubens Villar Coelho, conhecido como Colômbia. O homem é suspeito de ser o mandante dos assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, na região do Vale do Javari, no Amazonas, em junho deste ano. A informação foi revelada pelo blog de Andréia Sadi.

Colômbia é acusado de fornecer entorpecentes provenientes do Peru e da Colômbia a facções brasileiras. Ele foi preso, na quinta-feira (7/7), por uso de documento falso, em Tabatinga. Em junho, ele era investigado por ser um dos suspeitos de envolvimento nos crimes que chocaram o país e o mundo.

Colômbia foi detido ao prestar depoimento. Ele negou a participação nos crimes.

Uma das linhas de investigação aponta que Colômbia estaria incomodado com a atuação do indigenista. Bruno Pereira chegou a apreender barcos e peixes que pertenciam à quadrilha. O lucro da pesca ilegal de pirarucus e tracajás — espécie parente da tartaruga, comum na Amazônia — seria apenas um meio de lavar o dinheiro do narcotráfico.

Rubens Villar Coelho teria ainda ligação direta com os dois irmãos presos pela PF: Amarildo da Costa de Oliveira, o Pelado, e Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos. Um tio de Amarildo, que atua como líder comunitário, também é apontado como “funcionário” de Colômbia.

Dom e Bruno foram executados a tiros, em 5 de junho, na reserva indígena Vale do Javari. Amarildo da Costa de Oliveira, 41, ou Pelado; Jefferson da Silva Lima, conhecido como Pelado da Dinha; e Oseney da Costa de Oliveira, 41, conhecido como Dos Santos, estão presos.

 

As vítimas

Bruno era considerado um dos indigenistas mais experientes da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Ele foi coordenador regional da Funai de Atalaia do Norte por cinco anos. Em 2019, após combater mineração ilegal em terras indígenas, Bruno foi dispensado do cargo de chefia.

A exoneração do servidor ocorreu na época em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) apresentou um projeto para liberar garimpos nas reservas.

O indigenista estava licenciado da Funai e integrava o Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente (Opi).

Bruno era alvo constante de ameaças, devido ao trabalho desempenhado junto aos indígenas, contra invasores.

 

Jornalista preparava livro

Dom Phillips era jornalista colaborador do veículo britânico The Guardian. Ele se mudou para o Brasil em 2007 e morava em Salvador.

Com apoio da Fundação Alicia Patterson, Phillips trabalhava em um livro sobre meio ambiente.

Além do Guardian, Phillips já havia publicado textos no Financial Times, no New York Times, no Washington Post e em agências internacionais de notícias.



 


Notícias Relacionadas »
Comentários »