19/05/2019 às 12h00min - Atualizada em 19/05/2019 às 12h00min

MP-AP realiza ação “Gabinete nas Escolas” na Escola Estadual Cecília Pinto

Durante o encontro na Escola Estadual, foram pontuados problemas como: a falta de climatização nas salas de aula, iluminação precária, fiação elétrica exposta

MPAP
Pais, alunos, profissionais que atuam na instituição e representantes de órgãos convidados pelo MP-AP estiveram reunidos para inspecionar o educandário. (MPAP)

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Educação (PJDE), realizou ação do projeto “Gabinete nas  Escolas”,  na Escola Estadual Cecília Pinto, localizada no Bairro do Muca, zona sul de Macapá. Pais, alunos, profissionais que atuam na instituição e representantes de órgãos convidados pelo MP-AP estiveram reunidos para inspecionar o educandário.

A ação, que é coordenada pelo titular da PJDE, promotor de Justiça Roberto Alvares, percorre as Escolas Estaduais e Municipais, semanalmente, às segundas e quintas-feiras, alcançando resultados positivos para a comunidade escolar.

“Seguimos com a proposta inicial, que visa o contato direto dos órgãos públicos com os participantes do sistema educacional de Macapá. Muitas problemáticas estamos conseguindo resolver durante nossos encontros", reforça o promotor.

O ouvidor da Controladoria-Geral do Estado (CGE), Roberto Pacheco, afirmou a proposta da CGE durante a ação. “O nosso objetivo é participar, ouvir as reclamações, bem como as  sugestões e fazer um intercâmbio com o Governo do Estado (GEA). Estamos de portas abertas para receber as manifestações da população”.


Durante o encontro na Escola Estadual, foram pontuados problemas como: a falta de climatização nas salas de aula, iluminação precária, fiação elétrica exposta, necessidade de aparelhamento do Laboratório de Informática (LIED) e reforma urgente na quadra de esportes, que está interditada e apresenta telhado danificado, podendo ocasionar acidentes.

“Precisamos enfatizar a nossa necessidade, como alunos, de climatização das salas de aula. O excesso de calor nos desconcentra, nos atrapalha muitas vezes”, afirmou o aluno Igor Ribeiro.

O representante da Coordenadoria da Rede Física da Secretaria de Estado da Educação (SEED-AP), Durbam Cardoso, ressaltou que já existe projeto para climatização das salas de aula, mas é preciso realizar primeiro a adequação da rede elétrica para receber esses equipamentos, bem como há uma previsão para execução total dos serviços, ainda no ano 2019.

A escola desenvolve projetos que visam preparar os alunos para adentrarem nas universidades. Como o “Feras do ENEM”, coordenado pela professora de biologia Lindisay Moreira, que se baseia em um cursinho preparatório para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), onde discentes do educandário e comunidade externa recebem aulas.

A instituição também possui laboratório de ciências ativado, onde as práticas são realizadas nos horários de aula e desde o 6º ano do Ensino Fundamental os alunos são  incentivados a resolver questões do ENEM. “Passamos atividades práticas e utilizamos de uma didática mais interessante. Após isso, é passada uma questão do Exame Nacional ligada ao assunto que é ministrado em classe“, pontuou a professora Patrícia Dias.

Os alunos também são incentivados à leitura, com o projeto “Leitor do Semestre“, onde é realizado um concurso e os premiados são os estudantes que mais leem livros e elaboram apresentações escritas e orais. “São disponibilizados livros específicos do projeto para que os jovens leiam e apresentem oralmente e, se passar desta fase, é entregue um resumo escrito. O aluno que lê mais livros no semestre, vence o concurso. O objetivo é incentivar e instigar o interesse por leitura“, afirmou a professora Lana Cunha.

"Nesta escola existem iniciativas louváveis, pois aqui encontramos em execução os projetos: Escola Verde, práticas artesanais com argila, Leitor do semestre e Feras do ENEM. Contudo, apesar de uma estrutura boa, observa-se que os alunos estão prejudicados quanto à prática de Educação Física, tendo em vista a interdição da quadra poliesportiva, que além de ter a estrutura metálica oxidada, não oferece banheiros, vestiários e nem arquibancadas. Ademais, salta aos olhos a sensação térmica nas salas de aula, inclusive, porque esses ambientes são fechados, o que promove, sem sombra de dúvida, um tímido rendimento escolar, algo aferido no baixo resultado do IDEB", asseriu o promotor.

Ação compartilhada

Na ocasião, estiveram presentes representantes de órgãos públicos ligados aos sistema educacional do Estado, como: Secretaria de Estado da Educação (SEED-AP); Vigilância Sanitária do Município de Macapá (VISA-AP); Policiamento Escolar (PM-AP); Secretaria de Infraestrutura do Estado (SEINF-AP); Universidade Federal do Amapá (UNIFAP-AP); e Associação de Moradores do Bairro do Muca (AMBM).


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »